Questionário do Grupo Gymnasium a clientes revela que mais de 60% quer retomar

Questionário do Grupo Gymnasium a clientes revela que mais de 60% quer retomar

Paula Caleça partilhou o inquérito feito aos membros da cadeia Gymnasium sobre o regresso a estes clubes, onde de um universo de 8000 sócios, foram inquiridos cerca de 2000 sócios e aproximadamente 1000 enviaram respostas às questões colocadas.

Observou-se que quando questionados sobre qual o factor mais importante no regresso à frequência dos ginásios, os aspectos que estão ligados às normas de higiene e segurança foram os mencionados como tendo maior relevância (reforço na limpeza com 24%, limpeza dos equipamentos com 22% e o distanciamento social com 20%).

Contatou-se ainda que pesar de 84% dos sócios estar impaciente de voltar aos ginásios –  mais de metade dos membros quer regressar mal seja permitido (65%), e cerca de metade deste número planeia regressar cerca de um mês após as aberturas oficiais-,  a motivação e a vontade voltar às rotinas são neste momento factores que têm menos peso neste regresso (6%) quando comparados aos factores de higiene e segurança mencionados anteriormente.

Verifica-se que a tendência dos treinos on-line é para a sua diminuição uma vez que 64% dos sócios sente falta de voltar a frequentar o ginásio pessoalmente. Paula Caleça dá-nos a sua opinião a este respeito: “A questão da energia do ginásio, da pequena competição entre o colega do lado que está a fazer o exercícios sem desistir, são as pequenas mas tão importantes diferenças que só se consegue com o presencial. A motivação que o instrutor dá, a pressão social de não poder sair a meio da aula para não parecer um desistente ou simplesmente por falta de respeito pela aula, são os factores que incentivam os alunos a ir um pouco mais além”. O on-line terá alguma captação se utilizado para directos e lives. Paula Caleça sente que o on-line servirá como um complemento ao treino, ou quando por algum motivo não há a possibilidade da deslocação presencial ao ginásio. O estudo revela ainda que os treinos PT deixarão de ter interesse neste formato. Apenas 4% referem ter interesse.

Quanto às aulas de grupo, 44% admite querer frequentar as aulas de grupo mas com as devidas restrições e 40% não pretende a frequentar esta modalidade, o que já era o cenário anterior ao COVID19, não se vendo por isso grandes alterações ao que já era praticado.

Neste novo futuro há algumas mudanças que já estão a ser pensadas a ser implementadas:
- Desde logo, a manutenção do online. Após o sucesso do Gymnasium online com plataforma própria, esta é uma aposta a permanecer no futuro, num conceito que será novo e especifico apenas para os treinos e aulas on-line.
- O mapa de aulas sofrerá alterações tendo mais aulas com menos alunos, com 1/3 ou ½ de capacidade das salas, de modo a que todos tenham as suas distâncias de segurança e se consiga adoptar as medidas de higiene necessárias, de forma também a conseguir-se trazer rentabilidade para esta modalidade.

É fundamental nesta altura ter um bom plano de abertura, mostrar confiança e segurança às equipas e aos sócios, e mostrar que quanto mais saudáveis, mais fácil é combater qualquer doença. Paula vê os ginásios como uma ferramenta para reeducar e ajudar a população a ter uma vida mais saudável.

Factores de Regresso Gymnasium

Factores de Regresso Gymnasium

 

Uso Online do Gymnasium

Uso Online do Gymnasium

 

 Paula Caleça é CEO dos clubes Gymnasium, licenciada em Psicologia Educacional e membro do Executive Round Table
« Voltar às últimas notícias