A transformação da AGAP para Portugal Activo

A transformação da AGAP para Portugal Activo, um grande desafio!

A AGAP | Portugal Activo completou 20 anos em 2019.

Decidimos em 2018 transformar a nossa matriz, evoluindo de uma entidade virada para os Clubes associados, uma associação corporativa, para uma associação que tem como principal enfoque, hoje em dia, os inactivos, ou seja, todos aqueles que não praticam exercício físico.

Deixamos de ser uma associação de Academias e Ginásios e passamos a ser uma associação de Clubes de Fitness e Saúde. O link do exercício físico com a saúde foi outra das nossas prioridades.

AF_PORT_ATIVO_CFB_5Esta alteração de paradigma “condicionou” todas as nossas estratégias e acções. Definimos um plano ambicioso de comunicação, com recurso à Televisão e Rádio. O Movimento Portugal Activo foi apresentado e ampliado nas redes sociais, por muitos embaixadores mediáticos. A campanha “Começa por Começar” foi um sucesso, tendo trazido grande notoriedade e prestígio à Associação e ao Fitness e Saúde.

 

Granjeamos apoios institucionais com a tutela, IPDJ e SEJD, e com Câmaras Municipais, com muito significado, realizando grandes eventos de Fitness outdoor e Congressos Nacionais e Encontros Regionais de elevada dimensão.

Entregámos uma petição pública com mais de 20.000 assinaturas, que brevemente será votada na Assembleia da República, para que o dia 16 de Maio, seja o Dia do Portugal Activo.

Pretendemos que o exercício físico pago nos Clubes de Fitness e Saúde possa fazer parte dos benefícios fiscais em sede de IRS. Nem que seja apenas uma parte do valor total pago. Este é um sinal deveras importante do Estado para todos nós, considerando o exercício físico um benefício directo para a saúde.

As empresas que subsidiam exercício físico aos seus colaboradores ou têm um ginásio seu nas próprias instalações, também deverão ter benefícios em sede de IRC. Se esta medida se verificar, acreditamos verdadeiramente que mais empresas vão aderir a esta política de apoio ao desempenho no trabalho e de redução do absentismo dos seus colaboradores.

“A redução do IVA seria fundamental, (…) para que o sector seja
mais atrativo ao investimento, permitindo a proliferação
de novos Clubes de Fitness e Saúde, tão necessário para
aumentar a nossa taxa de penetração, actualmente apenas pelos 6%.”

A redução do IVA do exercício físico é outra das grandes demandas do nosso sector. Não faz qualquer sentido que as actividades ligadas à saúde, como a fisioterapia e nutrição por exemplo, tenham taxa de IVA de 0% e, que o exercício físico Fátima Lopes Portugal Activo_1280x720sendo também um preventor de doenças e coadjuvante no tratamento das mesmas, tenha uma taxa de 23%, igual à do tabaco e das bebidas alcoólicas. A redução do IVA seria fundamental, não para a redução dos preços aos consumidores, mas para que o sector seja mais atrativo ao investimento, permitindo a proliferação de novos Clubes de Fitness e Saúde, tão necessário para aumentar a nossa taxa de penetração, actualmente apenas pelos 6%. Um “Clube em cada Esquina” é um objectivo essencial, se queremos aliciar cada vez mais Portugueses para o exercício físico. A relutância à mudança característica da nossa população, só poderá ser vencida com uma oferta alargada e diversificada de serviços.

No final de 2021 teremos 1 milhão de Portugueses a praticar exercício físico nos Clubes de Fitness e Saúde!

 

José Carlos Reis é Director Geral do Ginásio Clube Português, Licenciado em Educação Física pelo ISEF com uma Pós-Gradução em Direcção de Empresas na AESE 

 

« Voltar às últimas notícias